5 de mai de 2009

gripe suína

confesso que tenho vasculhado o jornal a procura de um bom motivo pra eu me sentir alarmada sobre essa possível pandemia.
e não encontro nenhum bom motivo.
porque 1.124 casos confirmados no mundo (e 26 mortes) seria caso de preocupação??? existem milhões de pessoas saudáveis no mm momento!
especialistas têm afirmado que a letalidade dessa gripe é baixa, então é irritante (pra mim) ver a população correndo atrás de tamiflu...
fico tentando tb ler nas entrelinhas, mesmo na grande mídia alguma coisa sempre há de aparecer.
e aparece, veja só:
- poder de vírus é limitado, diz eua - basicamente, eles estão chegando à conclusão que a atual gripe suína é menos letal que a "antiga" gripe aviária, que desde 2003 matou 257 pessoas.
essa é a notícia mais interessante (pena que as pessoas parecem não se dar conta do que isso pode significar):
- em 1976, vacina matou mais do que surto de gripe suína nos eua. leia a íntegra aqui. mas o ponto básico é:
"A doença causou apenas duas centenas de casos e uma morte, mas a tentativa de contê-la acabou deixando 500 doentes --e 25 mortos (...) A vacina ficou pronta no tempo esperado, e a imunização começou no dia 1º de outubro. E foi aí que as coisas começaram a dar errado. Ainda no começo do mês, começaram a surgir casos graves de reação à vacina. A imunização, descobriu-se, provocava um problema neurológico raro (...) e, em alguns casos, morte. (...) As primeiras [mortes] foram registradas em 12 de outubro. No começo de dezembro, o governo decidiu interromper a vacinação. Quarenta milhões de americanos, incluindo o presidente, haviam recebido a vacina. Estudos posteriores constataram que o vírus, mesmo que se espalhasse, jamais seria tão violento quanto o de 1918. A cura matou mais que a doença, num caso que voltou a ser discutido nos EUA nos últimos dias --como um exemplo como não agir."

e no jb do dia 1º, análise de mauro santayana:
"O governo do México e a agroindústria procuram desmentir o óbvio: a gripe que assusta o mundo se iniciou em La Glória, distrito de Perote, a 10 quilômetros da criação de porcos das Granjas Carroll, subsidiária de poderosa multinacional do ramo, a Smithfield Foods. (...) Os moradores de La Glória – alguns deles trabalhadores da Carroll – não têm dúvida: a fonte da enfermidade é o criatório de porcos, que produz quase 1 milhão de animais por ano. Segundo as informações, as fezes e a urina dos animais são depositadas em tanques de oxidação, a céu aberto, sobre cuja superfície densas nuvens de moscas se reproduzem. (...) Os animais são alimentados com rações que levam 17% de farinha de peixe, conforme a Organic Consumers Association, dos Estados Unidos, embora os porcos não comam peixe na natureza. De acordo com outras fontes, os animais são vacinados, tratados preventivamente com antibióticos e antivirais, submetidos a hormônios e mutações genéticas, o que também explica sua resistência a alguns agentes infecciosos. Assim sendo, tornam-se hospedeiros que podem transmitir os vírus aos seres humanos, como ocorreu no México, segundo supõem as autoridades sanitárias." Leia o texto inteiro, é muito interessante...

Um comentário:

Pérola disse...

Ana, eu mesma!
Pérola, da matrice!
Beijos!!!