9 de ago de 2007

Minha resposta pra mulherada do Livro de Visita do Mothern:

Olá, pessoal, boa tarde.
Sou a "tal Ana Basaglia", q tanto vcs têm comentado por aqui...
Venho a público dar algumas derradeiras explicações, pq eu realmente fiquei muito chateada com tudo q aconteceu...
Volto a repetir, a publicação do texto da Tatiana no blog da Matrice, sem estabelecer a autoria, foi com a intenção de apenas ilustrar equívocos na questão da amamentação em geral, sem pretender prejudicar diretamente ninguém.
Não preciso me estender aqui, pq me entende quem quiser, e vê intenção de dolo tb quem quer. O blog da Matrice já se retratou, já se explicou, já tirou o texto do ar, e já propôs um espaço de discussão (no sentido da conversa) para questionamentos sobre o q é realmente equívoco em amamentação.
De fato, visitei os blogs de todas as meninas q reclamaram na Matrice e respondi a cada uma delas e, acreditem, meu tom não foi falso. Eu escrevo muito parecido de como eu sou, e minha intenção ao visitá-las foi tentar esclarecer meu jeito de pensar.
Mas, aparentemente, não fui feliz ao citar o assunto em meu próprio blog, pois vi um post da própria Tatiana (o único q eu li desde então) reclamando q eu as chamei de "malucas"...
Qto a isso, não posso remediar... só tenho a dizer q é meu jeito de falar, de me expressar. Em tanto tempo de mundo virtual, já vi gente se tratando de maneira bem mais chula, e ninguém se estranhou. Quem me conhece, sabe desse meu jeito irreverente. Quem freqüenta meu blog, já me viu xingando marido, filho, amigo, nunca com palavrão, mas palavras como "maluco", "besta", "infeliz", "vaca", aparecem sempre...
De mais a mais, não é uma "maluquice" vcs acharem q quem defende a amamentação não se incomoda em ver o próprio filho passando fome?? Não é uma "maluquice" dizer q quem defende a amamentação faz distinção entre "mãe q amamenta" e "mãe q não amamenta", classificando-as em "boa mãe" e "má mãe"??
Vcs disseram isso (e coisas muito mais "malucas") ao reclamarem sobre o post não-autorizado (posso apontar textualmente aonde está escrito isso), vendo falta de apoio da parte da Matrice onde é justamente o contrário:
- o blog está aberto a quem quiser escrever e relatar sua experiência (boa ou ruim, tanto faz) em amamentar, os posts não são moderados
- o blog disponibiliza email e telefone a quem quiser um atendimento mais pessoal
- o grupo Matrice promove reuniões semanais e mensais, abertas a quem quiser aparecer, sem prévia inscrição, nem custo nenhum
- o grande, maior objetivo da Matrice é promover um espaço onde as mães (e quem mais quiser) possam trocar experiências e fortalecer suas convicções acerca da amamentação. Nosso "trabalho" é totalmente voluntário, e nossa expectativa é ajudar quem nos procura; nós não corremos atrás de ninguém, pois acreditamos q pede ajuda quem quer ser ajudado.
Por fim, eu acredito, Tatiana, que todo relacionamento (virtual ou real) pressupõe uma disposição em compreender o outro, e se eu devo domar minhas palavras, acredito que aquelas que nos acusam de xiitas da amamentação devem fazê-lo também: se estamos dispostas a darmos horas de trabalho voluntário para apoiar mulheres com dificuldades na amamentação, não é para "obrigar o mundo a gostar do que gostamos...", mas simplesmente para ajudar mulheres com dificuldades de amamentação.
Pessoalmente, vou já deslinkar o “casa da sogra” do meu blog (eu te pedi/avisei do link, lembra?), pois a relação superficial nos termos propostos por vc não me interessa...
Abs a todas,
Ana Basaglia

* * * * * * * * *
Esse assunto ainda vai render... não discussão, q isso não me interessa meeesmo (eu não tenho mais idade pra isso!! rs), mas é q eu percebi uma lacuna na minha/nossa comunicação: muita gente ainda pensa q amamentar prolongadamente é principalmente uma questão de vínculo afetivo, e, nesse sentido, a mensagem nas entrelinhas acabaria sendo q quem não amamenta por muito tempo não mantém o vínculo adequado com seu filho.
E não é absolutamente isso!!!!
Vou ali pegar uns estudos, organizar melhor a informação, e depois eu volto!!
* * * * * * * * *
Nasceu meu sobrinho ontem!
Cesárea por suspeita de "sofrimento fetal", os pais não quiseram "arriscar"... A mãe fez um exame em um hospital da cidade à tarde, resolveram optar pela cirurgia, deu tempo de se locomover para o outro hospital, fazer a internação, a médica deu conta de suas consultas do dia, a cesárea foi feita às 19h. Precisa dizer mais?...
Ah, não mamou na primeira hora...
Ai.
* * * * * * * * *
O divertido da coisa (nesse mar de maluquice) é q agora toda minha família tem duas pessoas fazendo aniversário no mesmo dia: marido, filhas e filho (ontem foi aniversário do R.).
MENOS EU, q tenho um dia só pra mim!!!! rarara!!!

15 comentários:

tatiana disse...

Ana,

Minimizar a questão para “copiar o que foi dito sem autorização” é talvez uma forma de defesa, mas não é o correto.

Não foi isso o que me irritou e ofendeu profundamente. O que realmente pegou foi terem selecionado trechos de desabafos meus relatando a dificuldade de amamentação e deles deduzido alguma espécie de apologia à mamadeira, ao desmame natural com 3 meses ou qualquer estupidez parecida.

Até porque, se não quisesse amamentar, não teria feito desde o primeiro dia, apesar da cesariana, feita porque estava com eclâmpsia (fui para a mesa de cirurgia com 37 semanas e pressão 17x12) e com minha filha em posição sentada. Teria adotado a mamadeira desde logo, ao invés de insistir, comprar bombinhas pra extração de leite, ficar com hematomas nos seios pela extração, entrar em contado com médicos, enfermeiras, obstetras, trocar de pediatra, lutar contra a mastite, curar bolhas de esforço na boca da minha filha, ficar 3 horas no peito a cada mamada, ficar três meses sem dormir uma hora seguida, amamentar minha filha durante as reuniões com meus sócios no escritório, etc.

Um site sério, como espero que seja o do grupo Matrice, deve tomar muito cuidado com esse tipo de abordagem por vários motivos.

O mais forte deles é o de que uma mãe que quer amamentar e não consegue está inacreditavelmente fragilizada, corroída pela culpa, com um monte de gente em volta insistindo pra ela deixar disso e dar a mamadeira de uma vez, com um monte de informações desencontradas, e correndo feito uma barata tonta atrás de qualquer tipo de ajuda. Uma mãe nessa situação sente-se a última das criaturas, por não poder amamentar o seu filho – afinal, só consegue ler que amamentar é natural, que o leite sempre flui, que não existe pouco leite, que isso não tem nada a ver. O problema é com ela, só com ela, que é a incapaz, a torta, a errada – afinal, problemas na produção de leite, como se leu, não existem.

Qualquer mulher que tenha amamentado sabe que a produção de leite está ligada ao estado emocional. E que dificuldades pelas quais ela esteja passando podem interferir na alta ou baixa produção de leite. Que é preciso tomar água. Que é preciso se alimentar corretamente e não ficar mais de três horas sem comer. Que é preciso dormir. Que é preciso ser deixada em paz.

Só que quem nunca amamentou não sabe disso, porque isso não é dito às claras.

O site da Matrice foi um dos primeiros que procurei, mas não encontrei qualquer tipo de informação que me ajudasse. Ao contrário, não havia – e espero que haja agora, com esse espaço que foi aberto – informações sobre dificuldades na amamentação e dicas práticas.

Só encontrei informações em sites em inglês (especialmente o Babycenter), que traz até mesmo o diagrama do seio e explica detalhadamente o seu funcionamento.

Se a intenção é ajudar, o site PRECISA abordar seriamente os seguintes assuntos:
a) como fazer para manter o fluxo de leite se o bebê está na UTI?
b) como fazer para a produção de leite não despencar quando se volta ao trabalho?
c) para mulheres autônomas (como meu caso) que não usufruem de licença maternidade, quais as possíveis alternativas para manter o fluxo de leite?
d) quais os endereços de banco de leite nas principais cidades, que possam ser consultados como referência?
e) quais os sites na internet que possam ajudar?
f) bombinhas para extração podem ser usadas? As que estão no mercado servem para alguma coisa? Ou é melhor alugar em algum hospital?
g) quanto de água deve ser tomado por dia, para auxiliar a produção de leite? Eu tomava 4 litros e meio por dia – é pouco? Muito? Chás são recomendados? Eu tomei o Chá da Mamãe da Welleda, achei muito bom, mas ele tem alguma contra indicação?
h) homeopatia pode ajudar? Existem remédios que possam ser usados para ajudar? Eu me vali dos dois, homeopatia e alopatia, para conseguir aumentar a produção de leite, e antes de amamentar nem sabia que isso era possível – apesar de, como você já sabe, eu ter feito dois cursos de amamentação durante a gestação;
i) existem grupos de amamentação amigos do site Matrice que possam ser contactados em outras cidades?
j) se o complemento se fizer necessário, qual a melhor forma de fornecê-lo sem que a amamentação seja prejudicada?
k) qual a melhor forma de coletar o leite e armazená-lo? Por quanto tempo pode ser congelado?
l) após um período de baixa produção, como é possível aumentá-la?
m) cesareana às vezes não é escolha, mas imposição do momento. Como garantir a produção de leite?

Essas perguntas eu formulei em alguns minutos, mas tenho certeza que não são as únicas.

Reduzir a reclamação minha e das pessoas que comentaram no site da Matrice à mera transcrição de post sem mencionar a fonte é minimizar uma questão bem mais séria.

Dificuldades na amamentação existem, elas devem ser respeitadas – e principalmente, as mães nessa situação devem ser respeitadas. Elas querem amamentar, não conseguem, precisam de ajuda e não podem ser tachadas de “aquelas coitadas”.

Sofri imensamente com isso à época, e infelizmente não fui a última ou única mulher a passar por isso. A pessoa que me alertou sobre a transcrição sequer me conhece pessoalmente e nem sabia que era leitora do meu blog. Ela procurou vocês para ajuda, mas também não conseguiu, porque a resposta para as perguntas acima não estão, até o momento, no site.

Fique à vontade para linkar/deslinkar o que achar necessário.

Espero sinceramente que o site Matrice se torne um referencial para mulheres que querem amamentar e precisam de ajuda.

Atenciosamente,
Tatiana

Simone disse...

pai do céu!!! ana, você vai pro céu sem escalas.

Karin disse...

Ana, só acho que seria muito mais legal se você conseguisse depoimentos espontâneos para ilustrar o trabalho de vocês. E tenho certeza que você conseguirá vários. Assim não acontece mais com ninguém o que aconteceu com a Tatiana. Talvez toda esta história sirva para tirar uma coisa boa disso tudo, né?

ana b. disse...

karin, vc viu a quantidade enorme de depoimentos espontâneos q existe no blog???
é claro q essa história rendeu aprendizado, não tenha dúvida!
espero q tenha rendido tb pras demais "amigas" e pra pp tatiana.
a minha única mágoa é: nós cedemos, reconhecemos a falha (apesar de nunca ter tido a intenção de pixar ninguém, mas ninguém deu bola pra esse fato), alteramos o blog, abrimos espaço pra conversa...
e o povo q reclamou, deu as caras?
reconheceu o exagero nas críticas a quem defende amamentação?
eu li barbaridades tb!!!
li q prefiro deixar um filho passar fome... fui acusada de fazer opressão, radicalismo e imposição!!!
reconhecemos o equívoco na página publicamente, mas não li uma linha sequer ninguém pedindo desculpas pelas expressões de ódio (sim, eu li isso no LV), por ter nos chamado de xiitas, por sermos acusadas de IMPOR nosso pensamento, coisa q absolutamente nunca foi feito...
dois pesos, duas medidas...
assim fica difícil, né?

Simone disse...

ana, você demonstrou humildade ao se retratar, mas não foi o mesmo que fizeram com você. isso não importa, pois não diminui o seu gesto, nem o trabalho da Matrice. você fez o que achou certo e eu acho que o mérito já está nisso, independente de fazerem o mesmo com você. Bjão

Carla disse...

Ai meus sais... é tão mais fácil escrever pra quem entende né? Eu juro que to preparando um post enooorme sobre essa coisa, mas não me comprometo com datas, pq isso eu nunca cumpro.
SAbe... me dá uma preguiiiiça essa história de mãe melhor, menos mãe, etc e tal.
Mas aqui, agora eu só tenho um comentário... a busca da informação vai até o limite que a gente se impõe. A gente sempre acha um artigo que atesta o que a gente quer atestar, por mais absurdo que seja e as tentativas também vão até onde a gente se propões. E nossa psiquê fantástica nos faz acreditar que realmente fizemos o possível e que realmente queríamos pq é melhor querer e não conseguir.
Pronto falei, depois explico mais pra quem quiser.
E blá, blá, blá.

Beijo

Paola disse...

Ana B:
Quantas vezes tenho que eescrever para vc entender. diga minha querida lambisgoia
carlita minha querida sou sua fã

B i a disse...

Logo eu post no meu,porra,fiquei puta.
Ora pois,na hora de avacalhar,as "miguxas" virtuais invadiram o MATRICE.Agora na hora de discutir,expôr o conhecimento...
Elas preferem ficar o dia todo lá no Mothern,que eu não vejo lhufas de mais,sinceramente...
Assim como as "miguxas" tomaram a dor dela;eu tomo a sua...
Quando vc foi lá esclarecer,falaram que o assunto estava encerrado,será mesmo??
Pq a própria vem aqui debater ao invés de ir no MATRICE...
Ninguém é melhor do que ninguém,agora a Carla falou algo certo,a gente enxerga até aonde a gente quer...
Quer um exemplo?Quando há mais ou menos 8 anos atrás eu vi violentada;em parte,podia ter sido evitado sim,eu literalmente fui pelo caminho errado...sim é uma "fatalidade",mas eu me defendo,converso e debato sobre o assunto SOZINHA...entendeu né???

Eu sou responsável pelos meu atos...

xêro

Carla, a mãe! disse...

Ana, dá uma passadinha no meu blog!!!

Beijo

Fabiola disse...

Alguem pode me explicar que Chupeta ridicula e a mamadeira verde mais ridicula ainda na mão daquelas maes?
isso é apologia?

ana b. disse...

RARARA!!!!
fa, eu não tinha reparado nisso!!!!!
ah, tá explicado!!!!
RARARA!!!!
ana b.

thais disse...

ana!!! muié, já disseram tudo, né?
coloca as informaçoes que elas querem no Matrice (se é que nao tem) e beleza. fora que, se quisessem saber, era só procurar no google que tem vários sites em portugues falando, né?
beijo

carla disse...

Sumiu???

Fabiola disse...

anaaaaaa kd vc?

Simone Tafinel disse...

Ai essas cesas de emergencia.. Juro, juro, juro, que quando chegar a minha vez, e vierem cm essa historinha, eu vou EXIGIR que me operem naquela hra, se é realmente uma emergência (mas é logico que vou ter um plano de fuga, caso aceitem o desafio.. rs..)
bjs.. Ah, vc nao me conhece, mas eu sou da PartoNosso.